domingo, 24 de dezembro de 2017

COMENTÁRIOS: NOSSAS MENSAGENS DE NATAL


Prezados Irmãos e Irmãs,Salve Maria!

Normalmente esta época do ano ,O Apostolado Defesa Católica posta alguma mensagem de natal por conta própria. 

Sendo que este ano de 2017 será diferente! Desta vez,O Apostolado pediu para alguns de seus amigos que enviem algo sobre o tema,para que seja postado em nosso blog. E assim foi pedido e assim foi feito. Quatro de nossos amigos enviaram suas mensagens e neste espaço aqui, as quais desde já os agradeço de coração. Por Isso que o título de nossa mensagens acima são na verdade “mensagens” e não apenas uma “mensagem” Aos demais amigos e amigas deste apostolado terão a oportunidade de apreciar quais foram estas mensagens e até foto. Portanto confiram:

A primeira mensagem foi a de nosso irmão e amigo Paulo Luiz. Que enviou sua mensagem de natal mais a sua foto:

"muitas vezes nos esquecemos do verdadeiro significado do natal e colocamos outras figuras na frente do verdadeiro motivo do natal,substituimos o nascimento de cristo por presentes,papai noel e futilidade do natal,celebre o nacismento de jesus.claro que nao vamos deixa de montar nossa árvore de natal que ja e tradição tmb da presentes aos familiares e amigos falar de papai noel para crianças que ja e uma tradição,mas nao deixando de falar no verdadeiro significado que e o nacismento do menino jesus.bom natal pra todos na paz do senhor jesus"



A Segunda foi de nossa amiga Milena Sther que enviou sua mensagem de natal:

“Natal tem tudo a ver com amor.É  a época do ano em que nossos corações estão mais receptivos e harmoniosos e nossas esperanças renovadas. Feliz Natal para todos!

A terceira  foi de nosso irmão Cleilton que mandou uma frase,olha só do Papa Pio XII:

"O Verbo Eterno,caminho,verdade e vida,nascendo da desolação de uma gruta e de tal modo nobilitando e santificando a pobreza,dava assim inicio á sua missão de doutrina,de salvação,de resgate do genêro humano"

A Quarta e última foi uma belíssima reflexão de natal de nosso amigo e irmão Jonadabe Rios:

A NATIVIDADE DE NOSSO SENHOR E O MENINO JESUS

E, estando ali, aconteceu completarem-se os dias em que devia dar à luz. E deu à luz o seu filho primogênito, e o enfaixou, e o reclinou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem. Ora, naquela mesma região, havia uns pastores que velavam e faziam de noite a guarda ao seu rebanho. E eis que apareceu junto deles um anjo do Senhor, e uma claridade divina os cercou, e tiveram grande temor. Porém o anjo disse-lhes: Não temais; porque eis que vos anuncio uma grande alegria, que terá todo o povo. Nasceu hoje na cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. E eis o (que vos servirá de) sinal: Encontrareis um menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura. E subitamente apareceu com o anjo uma multidão de milícia celeste louvando a Deus, e dizendo: Glória a Deus no mais alto dos céus, e paz na terra aos homens, (objeto) da boa vontade (de Deus). (São Lucas II, 6-14).

Os céus entoam um cântico alegre e sublime: “Glória a Deus no mais alto dos céus, e paz na terra aos homens, (objeto) da boa vontade (de Deus)”. Os anjos entoam as boas novas ao mundo: “Neste dia nasce Vosso Salvador”. Ó espíritos celestes! Dizei-nos onde encontrar o Salvador, longamente esperado, e desejado com tanto ardor? Em Belém, a cidade de Davi. Em Belém! Uma pequena cidade para tão grande Rei! Mas certamente algum antigo e majestoso palácio, a última relíquia da fortuna daqueles que um dia reinaram em Judá, fora preparado para receber o Filho de Deus. Ah! Não. Sua pobreza não encontra nenhum lugar para Ele nem mesmo nas pousadas públicas da velha cidade. Os donos das habitações humanas recusam recebê-lo; e sua Mãe, bastante desolada, vê-se forçada a compartilhar com os animais um pedaço do estábulo. “E eis o que vos servirá de sinal”, continuam os anjos: “Encontrareis um menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura”. Que mudança, soberano Deus, em Vossas manifestações! Outrora, quando aparecíeis aos nossos pais na antiga lei, sempre o era sob figuras impressionantes e até mesmo terríveis; e constantemente aqueles que eram honrados por Vossa manifestação exclamavam: “Vimos o Senhor, e por isso iremos morrer”.

Agora Vós apresentais a Vós mesmos na forma de um bebê. Um bebê nos atrai com os seus encantos e toca nossos corações por seu desamparo. Seus choros fracos, sua doce face, sua paz toca o coração. O que é mais amável que um bebê? E, contemplai, meu Salvador é um bebê! Ele não parece com os filhos de algumas casas reais ao redor do qual servos e cortesãos se reúnem em multidão. Um berço de ouro, um serviço suntuoso, repeliria os humildes e os pobres; e Jesus veio para que todos pudessem aproximar-se d’Ele com confiança e amor. É por isso que Ele se mostra a nós “envolto em panos e deitado em uma manjedoura”. Mas quantas preciosas lições me são transmitidas através deste berço! O menino Jesus me ensina a pisar nas vãs honrarias que o orgulho humano persegue com frenética ansiedade. O menino Jesus me ensina a desprezar os falsos e fugazes bens que meu coração cobiça. O menino Jesus me ensina que privações e sofrimentos servem para reduzir minha carne rebelde à obediência, inimiga de toda a virtude e de minha perfeição.

O menino Jesus chama-me a um estado de simplicidade e candura, a uma vida obscura, solitária e profunda. Com a mais profunda reverência eu recebo estas lições em meu coração, pois é o Amor quem me dá. Amor! Vede o que mais me emociona hoje. O edito imperial que tira a Sagrada Família das doçuras da lareira da casa, a cegueira dos homens que recusam um abrigo para o Filho de Deus escondido no ventre de sua mãe, a fria noite de dezembro no dia de seu nascimento, o estábulo em Belém, as roupas sujas, a manjedoura: tudo isso já estava preparado em seus eternos conselhos pelo amor de meu Deus. O Esplendor da Luz Eterna, o Menino Jesus, veste-se com nossa pobre carne. Foi por amor a mim. Meus olhos impuros nunca suportariam o esplendor de Sua glória; e, entretanto, eu tinha a necessidade de me aproximar de meu Deus, de vê-lo, ouvi-lo, tocá-lo e abraçá-lo. Após tanta espera da humanidade, precisávamos ser encantados com a luz de Sua presença sensível. Senhor de todo o mundo, o Menino Jesus condena a si mesmo à pobreza, e o fez por amor a mim. Meu coração, tão facilmente encantado pela coisas terrenas, tinha que aprender que eles são tão pequenos e vis ao meu amor, e todo aquele que tem a menor parte deles deve possuir, como o seu Salvador, uma maior quantidade de bens espirituais. Eterna e perfeitamente feliz, o Menino Jesus começou a sofrer desde o seu nascimento no mundo. E foi por amor a mim.

Vendo meu Salvador submeter-se ao sofrimento desde o primeiro momento de sua vida mortal, estarei menos inclinado a rebelar-me contra dura necessidade de sofrer. Quem não amará Aquele que nos amou tanto? Quem dera eu possuísse um coração puro como o de Vossa Mãe, ó meu Jesus, para que eu pudesse Vos amar como eu deveria! Que eu pudesse unir minha ternura com aquele que Vos adotou como pai, repleto de humildade e reverência! Que eu tivesse um lugar entre os pastores aos quais os anjos anunciaram o Vosso nascimento, a fim de que eu participe de sua adoração simples e fervorosa! Quem dera eu pudesse estar na companhia daqueles reis e pudesse me prostrar aos vossos pés com o ouro da minha caridade, com o incenso de minha adoração e com a mirra de minha penitência! Ó Amado Jesus! Não me afasteis. Permiti ao menos que eu inveje aquele pobre lugar, os animais mudos que te aqueciam ao respirar; e, mesmo que seja pouco, dignai-vos unir o humilde amor de meu pobre coração ao Vosso infinito amor.

O Apostolado defesa Católica,Deseja que o menino deus e a virgem maria abençoe a todos os nossos amigos e amigas e suas respectivas famílias, e que tenham um Santo Natal e um ano novo muito abençoado,sempre na graça de Nosso Senhor!

Gloria In Excelsis Deo: Christus Natus Est!


EDGAR LEANDRO DA SILVA

domingo, 17 de dezembro de 2017

VÍDEO DO APOSTOLADO: BALANÇO 2017


Neste Vídeo,comentei sobre o que foi feito no Apostolado Defesa Católica ao longo do ano de 2017. Vale a pena conferir!





domingo, 3 de dezembro de 2017

UMA RESPOSTA CATÓLICA AO “APOCALIPSE” DA REDE RECORD



Prezados amigos e amigas, Salve Maria.

No último dia 21/11/17 estreiou a nova novela da Rede Record com o título de “Apocalipse” que faz referência ao último livro da Bíblia Sagrada.

Esta não é a primeira novela, em que a emissora do “Bispo” Edir Macedo que é o fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, trata de questões bíblicas. A mesma já colocou no ar novela e filme com o título de os “Dez Mandamentos” e também as novelas: “Rico e o Lázaro”; A “História de Ester”; “Sansão e Dalila” entre outras.

Mas esta novela “Apocalipse” que mal estreiou esta semana e já estar causando polêmica com a Igreja Católica.

Por isso o Nosso Apostolado Defesa Católica, Resolveu comentar sobre o assunto com o objetivo de alertar aos nossos irmãos e irmãs, sobre o que estar sendo contado até então por esta novela.Afinal de contas, o que estar sendo retratato na mesma não passa de uma “interpretação bíblica” do Livro do Apocalipse.

Mas será que qualquer um pode interpretar livremente a sagrada escritura,é claro que não! Tanto que a mesma diz que nenhuma profecia é de interpretação particular (II Pd 1,21)e por isso o sentido das escrituras só pode ser esclarecido pela interpretação autorizada do Magistério da Igreja.

Mas a Novela é transmitida pela Rede Record que é do Edir Macedo,”Bispo” e fundador da Igreja Universal do Reino de Deus,que foi fundada no final da Década de 70, ou seja 1500 anos depois de Cristo,logo com qual autoridade foi-lhe dada de interpretação da Sagrada Escritura,com certeza da Igreja católica é que não foi...

O Apocalipse não é um livro que trata do fim do mundo, como está sendo apresentado. O livro do Apocalipse cristão foi escrito entre os anos 92-96 no final do reinado do Imperador Domiciano. Assim como todos os escritos bíblicos do NT, este livro também tem um destinatário: 
às sete Igrejas da Ásia. Seu autor, segundo os estudiosos do mundo bíblico, foi São João quando ele estava exilado na ilha de patmos.A linguagem figurada, cheia de metáforas era compreensível aos cristãos dessas sete igrejas que enfrentavam muitas dificuldades e entendiam o que o autor queria dizer. O livro, traz uma mensagem de Esperança e nos anima a confiar em Deus acima de tudo e em especial nos momentos de provações.

Mas, e o “Apocalipse” da Novela da Record?

O Apocalipse” da Record, Retratar o Papa como um Falso Profeta.

A acusação encontra-se nas entrelinhas, más as referências á Igreja Católica são inequívocas. O Personagem Stefano Nicolazi é ninguém menos que o Anticristo e vive em Roma. Com direito a tiara papal, seguranças, parecidíssimos com a Guarda Suiça Pontificia e uma sacada ao fundo muito semelhante á da Basílica de São Pedro. Para bom entendedor, é o suficiente!

O Quadro todo, evidentemente, não é construído “do nada” há muito tempo a imagem da Igreja Católica como “a besta”, A “grande Babilônia” ou a “prostituta” do último livro da Bíblia povoa o imaginário das pessoas especialmente dos protestantes.

No face book existe uma página católica que pediu aos católicos que boicotassem “Apocalipse” tendo o cuidado de observar que, para um bom católico,melhor seria boicotar,na verdade,toda e qualquer telenovela.Trata-se de uma iniciativa até válida,sem dúvida,mas que não é o suficiente.
Afinal de contas com ou sem “Apocalipse”,ligados ou não na Record,mais dias ou menos dias os católicos terão de se confrontar com desafios muito semelhantes  ao apresentado por essa novela,seja em um círculo de amigos,seja no ambiente de trabalho,seja dentro de suas próprias casas. Será então o momento de dar aos que nos são próximos a “razão de nossa esperança”(1Pd 3,15) e neste momento não podemos recuar,muito menos falhar!

O Católico Precisa ter uma formação devidamente sólida,e para isso precisa estudar! Para assim poder saber defender a sua Fé,contra todos os inimigos e inimigas de Deus e de sua Santa Igreja e isso inclue não assistir a esta "Novela"

O Nosso Apostolado Defesa Católica,pode ajudar perfeitamente nestas questões. Basta nossos irmãos e irmãs enviarem suas dúvidas para o nosso e-mail: 

apostoladodefesacatolica2@hotmail.com será um prazer ajudar a todos e todas!

Seja este,portanto,o nosso propósito! Ao “Apocalipse” protestante da Record oponhamos o verdadeiro “Apocalipse”: aquele dos “vestidos com túnicas brancas” que “lavaram e branquearam as suas vestes no sangue do Cordeiro” que “estão diante do trono de Deus e lhe prestam culto,dia e noite,no seu santuário(Ap 7,13ss) Unidos a estes homens e mulheres marcados com o sinal da Fé,alcançaremos,em fim o que Deus deseja de cada um de nós: a Santidade!

 “Agora, porém, deixai de lado todas estas coisas: ira, animosidade, maledicência, maldade, palavras torpes da vossa boca, nem vos enganeis uns aos outros” (Cl 3,8-9)

Ad Majorem Dei Gloriam,


domingo, 26 de novembro de 2017

RESPOSTA A UM AMIGO SOBRE OS CAVALEIROS TEMPLÁRIOS

Caros Amigos e Amigas, Salve Maria!
Em Janeiro deste ano, assim como em Setembro também, recebi de um amigo via whatzapp questionamentos a respeito dos Cavaleiros templários.
Por isso então, nesta postagem estarei respondendo ao mesmo os seus questionamentos e também será uma oportunidade de comentar sobre este assunto, o qual ainda não foi comentado em nosso blog Defesa Católica.
O mesmo pediu, e assim será atendido de não ter seu nome publicado aqui.
Mas antes de começar a responder os seus questionamentos, convém explicar para os demais irmãos e irmãs, quem foram os templários.

Os Templários (Milites ou Equites Templi) constituíam uma Ordem de Cavaleiros militantes, sendo a mais antiga de todas. Foi fundada em 1119 por Hugo de Payens e oito cavaleiros franceses, que se uniram numa família religiosa, ligada pelos votos habituais de pobreza, castidade e obediência, além do voto especial de defender com as armas e proteger os peregrinos que se dirigissem a Jerusalém.
Os Cavaleiros foram favorecidos pelo Papa Inocêncio II, e altamente beneficiados por doações, que tornaram a Ordem rica. O seu hábito era um manto branco sobre o qual estava traçada uma cruz vermelha. Juntamente com os Joanitas ou Cavaleiros Hospitaleiros (porque tinham um hospital em Jerusalém dedicado a São João Batista), os Templários se dedicaram com suma abnegação coragem a defesa da Terra Santa; mais tarde, porém, foram vítimas de discórdias entre si.
Depois de explicado um pouco sobre a histórias dos templários, estarei aqui, respondendo e explicando as acusações deste meu amigo sobre os templários.
                                        ”Sua Igreja(Católica) que destruiu a nossa cavalaria”
Na verdade a Igreja Católica não destruiu a cavalaria, nem a condenou. O Papa não quis julgar os Templários do ponto de vista ético ou disciplinar; julgou, porém, que a existência dos Templários era um foco de distúrbios no mundo cristão da época. Esta distinção obteve o consentimento da maioria dos conciliares. Os bens dos Templários foram, em parte, atribuídos a outras Ordens Religiosas, em parte caíram nas mãos dos príncipes.
 Quem fez essas coisas foi o Rei Felipe IV o Belo, através de artimanhas e chantagens.
Lembrando que a igreja passava pelo período conhecido como O CATIVEIRO DE AVIGNON. Assim todas as tentativas da Igreja de julgar ela mesma a Ordem não foram acatadas pelo Rei. Tudo muito bem registrado no pergaminho de Chinon.
“Pergunte o que o papa e o rei fizeram com Jacques Demolay,o motivo e a razão”
o motivo foi puramente interesse econômico nos bens da Ordem, já que a França estava endividada por causa da guerra contra a Inglaterra, e dívidas para com os Templários. Foram as pressões de Filipe IV, maquiavelicamente planejadas por seu conselheiro Nugaret que levaram a Injusta condenação dos Pobres Cavaleiros de Cristo e de seu último grande líder.
“Tiago de Molay foi um nobre,militar,cavaleiro e o último grão-mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários.Nascido em Molay,pertencia  a uma família da pequena nobreza francesa.Morto por um rei e um Papa Ambicioso”
O Mestre Demolay foi morto porque retirou publicamente sua confissão acusando o Rei de tê-lo conseguido sob graves torturas, inocentando assim a Ordem das acusações feitas.
Acusar o Papa Clemente V de ser ambicioso, neste caso dos templários é Falso!
Ao mesmo tempo,para o amigo que não sabe,Aos Papas foi concedida a infabilidade Papal em termos de Fé e moral,mas não a impecabilidade. O Papa Clemente V era um homem de Fé Católica. Acreditava nos dogmas da Igreja,nas sagradas escrituras e na tradição Apostólica. Etc. mas não possuía a fortaleza de seu teimoso predecessor o Papa Bonifácio VIII e por isso terminou por ceder às pressões do rei e por isso resolveu extinguir a ordem.
Espero que estas respostas tenha ajudado ao menos um pouco,tanto a este meu amigo, quanto a outros amigos e amigas que até então tinham dúvidas sobre este assunto.
Ad Majorem Dei Gloriam,
EDGAR LEANDRO DA SILVA

domingo, 19 de novembro de 2017

RESPOSTAS CATÓLICAS: “Minha dúvida o seguinte no antigo testamento os profetas era mediadores,moiséis Noé,etc.o povo recorria a eles e eles recorriam a Deus.e agora se eu pedir alguma coisa ao santo ele pode recorrer a Deus,Sendo que Deus sabe o que eu vou pedir e o santo é criatura. A bíblia fala que ninguém vai ao pai se não por mim”

Caro Joseilson,Salve Maria! (Mãe de Meu Senhor,S.lucas 1,43)
Em primeiro lugar Obrigado por ter me escrito. Sem sombra de dúvida a sua pergunta,poderá não só  ajudar a você mas também ajudar a outras pessoas que tem a mesma dúvida sobre o mesmo assunto.
Este Assunto da Interessão dos Santos é uma velha discurssão entre Católicos e Protestantes...
Não só no antigo testamento há exemplo e intercessão mas, também no Novo testamento.
Nosso Senhor nos manda "Orar uns pelos outros" (MT 5, 44). S. Tiago nos ordena de "orar uns pelos outros" (Tgo. 5, 16). S. Paulo diz que "ora pelos colossenses" (Col. 1, 3).
No evangelho de S. Mateus (22, 30), Jesus Cristo ensina que os "santos são como os anjos de Deus no céu". Zacarias diz: "que o anjo intercedeu por Jerusalém ao Senhor dos exércitos" (1, 12 -13).

O poder de interceder está expresso em diversas passagens das Sagradas Escrituras, como nas Bodas de Caná, onde Nosso Senhor não queria fazer o milagre, pois "ainda não havia chegado Sua hora" e "o que temos nós a ver com isso (com a falta de vinho)?". Bastou Nossa Senhora pedir para que seu Filho fizesse o milagre, que Ele adiantou sua hora para atender à intercessão de sua Mãe Santíssima. Que tamanho poder de intercessão têm Nossa Senhora! Fazer com que Deus, por assim dizer, mudasse seus planos? É tal o poder de Nossa Senhora que a doutrina católica a chama de onipotência suplicante, ou seja, Aquela que tem, por meio da súplica a seu Filho, o poder onipotente!

Jesus Cristo é o nosso único mediador junto de Deus,enquanto,sendo verdadeiro Deus e verdadeiro homem,só ele,em virtude dos próprios merecimentos,nos reconciliou com Deus e dele nos obtém todas as graças.Mas a Santíssima Virgem e os Santos,em virtude dos merecimentos de Jesus Cristo,e pela caridade que os une a Deus e a nós,auxiliam-nos com a sua intercessão a alcançar as graças que pedimos.e este é um dos grandes bens da comunhão dos Santos. (Catecismo Maior de São Pio X,368)

Deus absolutamente não necessita de intermediários. Entretanto, Ele quer usar intermediários:

01-porque não convém à suprema autoridade fazer tudo. Como diz Aristóteles, convém que o senhor mande e que o escravo obedeça. Por isso Deus sempre atua através de seus anjos e dos homens.

2) Deus quer utilizar intercessores junto a ele, não porque seja limitado ou necessite absolutamente disso, mas porque quer que os homens se ajudem mutuamente.

03-Com efeito, Deus poderia salvar cada homem falando-lhe no íntimo da alma. Ele normalmente não faz isso, mas fundou uma Igreja para salvar os homens por meio dela. Assim, se entende porque Ele disse aos Apóstolos: "Ide e ensinai a a todos, batizando-os, em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo". Ele poderia ensinar diretamente a cada um, repito. Não o faz. Ordenou aos Apostolos que ensinem e batizem a todos em seu Nome. Assim, Ele quer nos salvar usando alguns de nós para salvar outros, a fim de que cada homem possa cooperar na salvação de seu próximo. Desse modo, Ele nos permite que exerçamos a caridade de modo mais perfeito, cooperando com a graça de Deus ao fazer apostolado.

04-Essa participação na obra salvífica de Deus continua mesmo depois da morte, visto que, Deus quer nos atender através da súplica dos santos que estão no céu, para que o amor continue a unir os que pertencem à Igreja Triunfante, à Igreja padecente no Purgatório, e à Igreja militante aqui na terra.

Se no céu reina alegria,quando um só pecador faz penitência(Lc 15,7)será possível que os moradores do céu não socorram os penitentes da terra?se os invocarmos,não nos alcançarão o perdão dos pecados,e não nos garantirão a graça de Deus?
Espero ter ajudado,
Ad Majorem Dei Gloriam,
EDGAR LEANDRO DA SILVA


domingo, 12 de novembro de 2017

RESPOSTAS CATÓLICAS: “Se um católico pode ir ao culto casamento ou rebatizado Protestante, por questões conjugais ou famíliar ele deixa de ser católico quando pisa num recinto Protestante? Essa pergunta peguei de dois canais católicos e é uma dúvida (teologia) na minha opinião. Eu realmente preciso saber se é coerente?”


Prezado Arigleyson,Salve Maria!

A Resposta a sua pergunta,é simples: Não,Um Católico não deixa de ser Católico se “pisar” numa Igreja Protestante.

Os moralistas católicos são unânimes em dizer que a freqüência a cultos não-católicos só pode ser feita em casos muito isolados e de real necessidade. 

Pois bem, tratamos especificamente da participação dos católicos nos atos de culto dos protestantes.
 Dela se ocupa o famoso e autorizado Fr. Teodoro da Torre Del Greco, OFMCap, em seu manual de teologia moral:
“A participação ativa ‘in sacris’ é absolutamente proibida (…).

Não é lícito pedir os sacramentos a um herege, salvo em perigo de morte e contanto que ao recebê-los em tal urgência, não seja interpretado, dadas as circunstâncias, como adesão à tal seita.

(…) É proibido cantar juntamente com acatólicos nas suas funções religiosas, tocar órgão ou qualquer instrumento. Não é proibido recitar, privadamente, com um herege, orações, contanto que não contenham nada contra a fé e não haja escândalo.

Pode ser tolerada a presença passiva ou puramente material por razão de conveniência civil ou de cortesia, e por causa grave, estar presente a funerais, ou casamentos e solenidades semelhantes, contanto que seja sempre remoto o perigo de perversão ou de escândalo.

Na dúvida, compete ao Ordinário julgar da gravidade da causa. Assistência passiva significa mera presença material, sem nenhuma participação, ao menos externa, nos ritos sacros; por isso não se pode orar, cantar em coro, etc. Não participa, porém, aquele que, entrando num templo acatólico, descobre a cabeça, senta-se, se os demais o fazem, levanta-se como os outros, se o faz para evitar singularidade.
(…)
Contanto que não haja escândalo, podem visitar os seus templos.” (Teologia Moral, n. 117, II, 1)

O católico só pode ir a um culto protestante se houver necessidade ou conveniência como você mesmo citou um Casamento por exemplo,uma formatura, uma apresentação artística inserida no culto e que importe em sua real adequação). E, mesmo assim, não deve participar do culto ativamente, apenas de modo passivo.

Pode, entretanto, fazer certos gestos (sentar-se, ajoelhar-se, ficar de pé, descobrir a cabeça, colocar véu etc), se o faz para impedir qualquer estranheza e singularidade. Pode também ir a um templo protestante para visitação e mesmo assistir outros atos que não sejam de culto (exposição, reunião de caráter civil, concerto musical), evitada toda contaminação doutrinária e todo o perigo de defecção da fé católica.

Logo,é coerente sim mas, apenas nestes casos citados acima.ao mesmo tempo,é necessário que o Católico tome um certo cuidado,para não cair nos erros doutrinários protestantes e ter em mente que a Igreja católica Apostólica Romana,é a única Verdadeira Igreja de Cristo e que Fora dela não há Salvação.

Espero ter ajudado,

Ad Majorem Dei Gloriam,


EDGAR LEANDRO DA SILVA

domingo, 5 de novembro de 2017

RESPOSTAS CATÓLICAS: "Tenho dúvidas sobre o pecado original como vim do protestantismo ainda acredito que a mãe de Deus tinha o pecado original. Mais depois que o verbo entrou nela saiu o pecado original "

Caro Joseilson,Salve Maria! (“Mãe de Meu Senhor” S.lucas 1,43)
É natural que você,vindo do protestantismo tenha este pensamento a respeito de Nossa Senhora tendo em vista que os protestantes não acreditam na Imaculada Conceição.
Esta idéia de pensar que: “ainda acredito que a mãe de Deus tinha o pecado original.mais depois que o verbo entrou nela saiu o pecado original “ não tem o menor sentido,além de absurda. Isso apenas prova mais uma vez,de como o protestantismo de que você fez parte, e que  apesar de ter a bíblia como única regra de fé(e a bíblia não é a única regra de fé) Interpreta mal os textos da sagrada escritura.
A imaculada Conceição de Nossa Senhora é uma verdade de fé,que consiste na Graça que Deus concedeu para a mãe do Salvador.
Mas, que graça é esta,Deus no momento da conceição da Virgem Maria,isto é,no momento quem a alma inocente se une ao corpo escravo do pecado,preservou-a da mácula,da mancha do pecado original.Nosso Senhor concedeu á maria santíssima este favor,não por seu merecimento,mas pelos privilégios de Nosso Senhor Jesus Cristo,dando então a ela uma Imaculada Conceição.
Note o seguinte:
Na Sagrada Escritura diz que o anjo disse á Maria:
Ave Cheia de Graça,o senhor é contigo”(Lc 1,28)
A palavra que expressa “Cheia de Graça”, em grego, é kekaretome, palavra que significa ser que foi desde sempre, que é ainda agora, e que continua sendo cheia de graça, isto é Imaculada, sem pecado original. A tradução em latim : “Gratia Plena” isto é, Graça plena é mais perfeita ainda do que a expressão portuguesa “cheia de graça”

O Senhor é convosco”(Luc 1,28) estas palavras angélicas,foram ditas antes da concepção pelo Espírito Santo,o que mostra que Deus está com a Nossa Senhora antes da encarnação do verbo.E,onde estar Deus não há pecado,ou seja, Maria não tinha o pecado original.


“Porém já veio Cristo,o sumo sacerdote dos bens vindouros.E através de um tabernáculo mais excelente e mais perfeito,não construído por mãos humanas iisto é não deste mundo” (Hb 9,11)

Aqui São Paulo se expressa  sobre o ventre  que concebeu o menino-Deus,e o compara com um tabernáculo  perfeito. Lembremos que no antigo testamento,no tabernáculo existia o lugar chamado “santo dos santos” ou “santíssimo lugar”,que tinha a presença de Deus.Este lugar era visitado pelo sacerdote uma vez por ano,e se entrasse lá em pecado,morria  fulminado pela presença santa do Senhor.Era comum que o sacerdote entrasse amarrado  a uma corda,que era usada para que o povo o puxasse  se tivesse morrido.Pois onde Deus está,pecado não há.

Com efeito o Catecismo da Igreja Católica ,491 também ensina que:
«Por uma graça e favor singular de Deus omnipotente e em previsão dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do género humano, a bem-aventurada Virgem Maria foi preservada intacta de toda a mancha do pecado original no primeiro instante da sua conceição»

Espero ter ajudado,

Ad Majorem Dei Gloriam,


EDGAR LEANDRO DA SILVA